Curso de História Campinas, São Paulo

Curso de história em Campinas. Encontre instituições de ensino desta área em sua região. Aproveite e leia nossos artigos com tutoriais, dicas e informações relevantes.

Wizard Barsil Livros e Consultoria Ltda
(19) 3249-0666
r Antônio Augusto Almeida, 1034
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Associação Cultura Inglesa-são Paulo
(19) 3294-3252
r Doutor Antônio C Carvalho, 480 Cambui
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Escola de Idiomas Pret a Parler
(19) 3243-3446
r Doutor Osvaldo Cruz, 677 Taquaral
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Abil Auto Transportes
(19) 3212-2400
r José Guernelli, 33
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Alternativa Auto Escola Despachante
(19) 3237-1400
r Bernardino Campos, 1072
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Auto Escola Anchieta Despachante
(19) 3281-2749
av Papa João Paulo Ii, 593 Bl A Cj 3
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Auto Escola Beira Rio Ltda
(19) 3241-5357
r Amadeu Martins, 129 jardim Chapadão
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Auto Escola Advance
(19) 3254-3090
r Barreto Leme, 2533 Centro
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Advance Form Aperf Motorista Auto Escola
(19) 3254-5030
r Barreto Leme, 2533
Campinas, São Paulo

Dados Divulgados por
Auto Escola Centro de Formação de Condutores Garantia
(15) 3233-5001
r Quinze de Novembro, 461, Centro
Sorocaba, São Paulo

Dados Divulgados por
Dados Divulgados por

O Estado Nacional Moderno Absolutista

ABSOLUTISMO:
- concentração de poderes nas mãos do rei.

MOTIVOS:
- a formação das monarquias nacionais na Baixa Idade Média.
- A crise do século XIV: dissolução das relações de servidão e dos laços de dependência pessoal
- as revoltas camponesas e urbanas.
- a contestação ao poder universal da Igreja: Cativeiro de Avignon e Reforma.
- as mudanças culturais expressas pelo Renascimento.
- a aliança do rei com a burguesia.
- o enfraquecimento da nobreza.
- o desenvolvimento do comércio.

COMPOSIÇÃO SOCIAL:
• Nobreza: interessada na repressão das revoltas camponesas, na proteção da propriedade das terras e na manutenção de seus privilégios.
• Burguesia: interessada na melhoria das estradas, na segurança pública, na unificação das moedas, na padronização de pesos e medidas, na criação de leis com âmbito nacional -> desenvolvimento do comércio.
->o Estado Nacional Absolutista representa a exigência de uma regulamentação jurídica para os conflitos sociais que se desenvolviam e continua sendo a expressão da hegemonia da nobreza que, através da reorganização estatal, reforça sua dominação sobre a massa camponesa (fortalecimento dos mecanismos de controle social).

CARACTERÍSTICAS:
- centralização e unificação administrativa.
- formação de uma burocracia.
- formação de um exército.
- arrecadação de impostos “reais”
- unificação monetária.
- unificação do sistema de pesos e medidas.
- imposição da justiça real.

TEORIAS JUSTIFICADORAS DO ABSOLUTISMO:
+ teorias políticas que procuravam justificar as origens, as bases e a natureza do poder absoluto.

• Nicolau Maquiavel
- “O Príncipe”
-> não deve haver limites de ordem ética e moral às ações do Príncipe.
-> princípio da Razão de Estado: “os fins justificam os meios” = todos os meios que o soberano empregar, visando manter a vida e o Estado, são válidos por definição, ou seja, o soberano tudo pode fazer quando busca o bem-estar do país (interesse do Estado).

• Thomas Hobbes
- “Leviatã”
-> Estado: uma grande entidade todo-poderosa que dominaria todos os cidadãos.
-> a superação do “estado de natureza” para a sociedade civil.
Ò contrato social: cada um cede seus direitos ao soberano, ou seja, renuncia-se a todo direito de liberdade, nocivo à paz e a ordem, em benefício do Estado.
-> “homo homini lupus” = o homem era como um lobo para o homem.

• Jacques Bossuet
- “Política segundo a sagrada escritura”
-> principio do direito divino dos reis: o poder real emana de Deus, a autoridade do rei é sagrada, revoltar-se contra o rei equivalia a revoltar-se contra Deus.
-> “um rei, uma lei, uma fé”.

• Jean Bodin
- “A República”
-> soberania não-partilhada.
-> a soberania real emana das leis de Deus.

• Hugo Grotius
- “Do direito da paz e da guerra”
-> os homens aceitavam submeter-se a uma autoridade soberana porque compreendiam as vantagens naturais que uma...

Clique aqui para ler este artigo em Vestibular Seriado